segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

(20)AUTÁRQUICAS/17: QUE TIPO DE CAMPANHA QUEREMOS? (por cá...)

[CAROS BLOGUISTAS: EM ANO DE ELEIÇÕES EIS QUE O MODERADOR DO ASAS DA MONTANHA NOS VOLTA A BRINDAR COM MAIS UM TEXTO SOBRE O ASSUNTO, SALIENTANDO "COMO DEVE SER UMA CAMPANHA ELEITORAL NUM PAÍS DEMOCRÁTICO". PELO MEIO LÁ VAI APONTANDO O DEDO A TODOS AQUELES QUE TRATAM O "OUTRO" COMO INIMIGO E NÃO ADVERSÁRIO POLÍTICO E ELENCA ALGUMAS COISAS QUE FAZEM FALTA AO MUNICÍPIO DE TAROUCA! UM TEXTO QUE MERECE SER LIDO, SEM DÚVIDA! VOTOS DE BOA LEITURA!ProfAnónima]

«QUE CAMPANHA AUTÁRQUICA QUEREMOS!?

2017 é ano de eleições autárquicas.

O poder autárquico é o que está mais perto das populações e lhes é mais acessível. Não tenho neste momento dados sobre a abstenção neste tipo de eleições, mas acredito que sejam as que menos cidadãos eleitores tenham a abster-se de votar. E compreende-se. É aos autarcas que as populações se dirigem para a resolução de múltiplos e variados problemas que têm a ver com a sua vida. E mesmo quando se precisa de ir às instâncias do poder central, é muito importante a solidariedade do poder autárquico.
Mas porque estão mais próximos, os autarcas são mais conhecidos dos eleitores. A sua acção e o seu comportamento, sendo mais visíveis, tornam-se facilmente analisáveis e deturpáveis, tanto no melhor como no pior sentido.

Então nesta campanha:
- que os vários candidatos apresentem as suas propostas com clareza, de modo que os cidadãos fiquem correctamente informados para poderem optar;
- sabendo que toda a eleição comporta também uma avaliação da obra feita, que tal avaliação seja realizada objectivamente, oferecendo os motivos de concordância ou discordância;
- que a campanha decorra dentro de uma dinâmica de esperança realista;
- que se evite a demagogia de tudo prometer a todas para não criar nas populações a decepção que acarreta sempre o afastamento dos eleitores da política e do interesse pela causa pública;
- que a campanha tenha nível e dignidade. Apresentem-se e debatam-se ideias e projectos, mas evite-se o ataque pessoal e mesquinho. "Lavar roupa suja" é para o lavadoiro, nunca para uma campanha de nível e com nível;
- que a saudável discordância política saiba respeitar o cavalheirismo entre os vários candidatos. Antes de tudo, está o ser humano e sua infinda dignidade. Há adversários, não pode haver inimigos. Pode-se discordar, mas existe o dever de ser SEMPRE cavalheiro;
- que os cidadãos estejam atentos, sejam serenos, saibam analisar a postura e as propostas dos candidatos e se decidam, não pelo interesse particular e - tantas vezes - mesquinho, mas tendo sempre em conta o bem comum. Quandos todos estiverem bem, cada um também estará.
Também as novas tecnologias são para todos, mas não são para tudo.
É aflitivo como algumas situação insignificantes merecem tanto debate, tanto acusação, tanta desculpa, tanta insinuação, tanto ataque pessoal nas redes sociais.
Parece que não queremos ver mais que um dedo à frente dos olhos.
Os grandes problemas passam ao lado. O mesquinho, a intriga, os jogos por baixo da cinza é que comandam.
- A questão da falta de emprego pela ausência de investimento nesta zona
- O turismo de que tanto se fala mas pelo qual há imenso a fazer. E o turismo será certamente uma fonte de emprego e de desenvolvimento
- A recuperação das partes antigas das localidades, tantas vezes abandonadas e transformadas em escombros
- A preservação do património
- A elevação cultural do concelho... Nem uma universidade sénior temos... Nem uma rádio local...
- Dinamizar, organizar e otimizar a assistência social de modo a evitar a quintalização da mesma e o dispêndio de dinheiro que não existe
- Na época da globalização, nenhum município é uma ilha, por isso há que trabalhar com outros municípios de modo a que haja desenvolvimento regional que a todos favoreça e dê resposta válida a questões vitais para as pessoas, como a saúde que está como está nesta zona toda
- Incentivar e apoiar ativamente toda a iniciativa cívica no campo da cultura, da economia, do associativismo
- Um novo olhar sobre a agricultura precisa-se: novas culturas, melhoramento da logística agrícola, escoamento dos produtos, arrendamento e junção de parcelas de terrenos
- Desburocratização dos serviços, essa teia imensa consumidora de tempo, paciência e recursos
- Criar um ambiente positivo que ultrapasse a má-língua, o deita-a-baixo, canalizando as energias para a construção do futuro.
- Vivenciar a democracia no que tem de mais belo: participação cívica, criatividade, solidariedade, empenhamento

Neste ano eleitoral não olhemos só para o umbigo de cada um, de cada partido. Nem para a sombra dos outros!
Olhemos longe, olhemos ao largo.» (IN BLOG ASAS DA MONTANHA-15/2/2017)

9 comentários:

  1. DAQUI: http://asasdamontanha.blogspot.pt/2017/02/que-campanha-autarquica-queremos.html

    ResponderEliminar
  2. DEBAIXO DAS CINZAS ESTÃO BRAZAS.............

    ResponderEliminar
  3. Bons conselhos e boas sugestões. A avaliação da obra feita por esta câmara levaria muito tempo!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que levava? que fizeram eles?

      Eliminar
    2. Quem quiser saber basta pedir os relatórios das actividades realizadas.

      Eliminar
    3. Esses relatórios não são apresentados nas reuniões e depois colocados nos sítes da Câmara e Assembleia?? CJ

      Eliminar
    4. De acordo com a lei alguns relatórios estão dispensados de serem mostrados nas reuniões da Assembleia Municipal. O relatório das actividades/obras efectuadas é um deles, por isso nunca foram mostrados nestas reuniões. Onde são colocado pra posterior consulta pública não sei pois nunca os procurei. AM

      Eliminar
  4. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Texto levado pró post 7-Preparativos das Autárquicas/17

      Eliminar